quarta-feira, 4 de setembro de 2013

Da para ver uma gordurinha. Sinal de que estamos em plena forma!



Vocês já sentiram uma sensação de felicidade tão grande que, as vezes, fica até com medo de ficar comentando para evitar ‘olho gordo’? Focar energias? Pois bem, esta é a sensação que eu estou neste exato momento: muito feliz, mas me segurando para não deixar transparecer essa alegria. 

Aliás, por falar em ‘gordo’, se o campeonato vem consagrando os ‘gordinhos’, como é o caso do rechonchudo Wálter – ex Cruzeiro – hoje no Goiás, que a gente continue a acumular gordurinhas na liderança do brasileirão, não é mesmo?

Parece pouco para celebrar. São 4 pontos de distância para o segundo colocado e um ‘título simbólico’ do primeiro turno. Mas em um campeonato tão equilibrado, qualquer pequena diferença é importante.

E olha... pelo que tenho acompanhado, esta saliência de pontos vem do ‘recheio’ muito bem servido do nosso elenco. Que time! Que fase!

A quanto tempo não víamos tantas opções? Só para lembrar, hoje jogamos com a dupla de volância reserva e sem o Dagoberto, artilheiro do time no ano. E quando um sai, outro de igual qualidade ou até melhor recompõe o time. E o mais importante: independente de quem jogue, o padrão de jogo, a marcação e a movimentação é a mesma. Sinal claro de um ótimo trabalho por parte do treinador.

O jogo.

Ê, Baêa... Não haveria de ser hoje, justo nesta boa fase do time, que você iria quebrar o tabu de 18 anos sem vencer a Raposa, não é mesmo? E não foi. O Cruzeiro começou o jogo pressionando, impondo o seu toque de bola e buscando o gol.

Apesar do bom volume de jogo, o Cruzeiro demorou a chutar ao gol. A bem da verdade, a primeira chance clara de gol foi do Bahia. Mas não tardou muito até a pressão celeste se reverter em bola na rede. Se aos 24 do primeiro tempo, J. Batista acertou a trave em uma bela cabeçada. Aos 25, no lance seguinte o Borges mostrou para o J.B. como se faz, e anotou o primeiro tento para o time celeste, também com uma cabeçada.

Aos 39, Éverton Ribeiro recebeu a bola na entrada da área e fez outro gol lindíssimo. Desta vez, substituiu o chapéu desconcertante por uma série de embaixadinhas até fuzilar o gol e fazer o segundo do Cruzeiro na partida. A Sampa Azul veio abaixo e a galera cantou a plenos pulmões o bom momento do time.

 

O Segundo tempo foi mais tenso.

Na verdade o time vinha muito bem, até tomar um gol, em cobrança de escanteio ensaiada do Bahia, com Fahel, aos 23 da etapa complementar. Depois disso o jogo ficou perigoso, tenso. Pelo menos para a torcida, pois o time soube controlar o ímpeto do limitado time baiano.

Aos 44, em cobrança de falta no lado esquerdo da área do ‘Baêa’, o cruzamento encontrou J. Batista na pequena área, que fuzilou para as redes e marcar o 3º gol, o que encerraria a conta do jogo.

Mais uma final. Mais uma vitória. Mais um pequeno passo rumo ao nosso objetivo maior.

Agora, o último jogo do turno será domingo que vem, contra o Flamengo, no Mineirão, na nossa casa, com a nossa torcida. E cabe justamente a este torcedor fazer sua parte junto com o time: temos que LOTAR o Mineirão. Abarrotar o estádio em todos os nossos jogos em casa e arrancar no grito, na empolgação todas as vitórias em casa, enquanto beliscamos pontos importantes fora.

Esta será a receita. E a torcida é o tempero. O apetite por títulos está grande e, dessa gordurinha na liderança, eu quero é mais!

Vamos Cruzeiro!

Um comentário:

Bernardo Duca disse...

Líder e com tranquilidade...Esse campeonato esta muito mais azul esse ano e realmente da vontade de começar a cantar com a torcida o tempo todo...A Sampa Azul estava demais ontem...Tomada por torcedores convencidos de que vamos lutar pela ponta até o fim...#SampaAzul #FechadoComOCruzeiro