domingo, 27 de maio de 2012

Triste e preocupado.


Os textos no Blog da Sampa Azul andam tão raros quanto as vitórias do Cruzeiro. Infelizmente.

Caiu o Mancine, chegou o Roth. Apresentaram o Tinga e o William Magrão, mas perdemos o Alex Silva, machucado. Novo esquema de jogo, possíveis reforços... enfim, são muitos os assuntos que deixamos de discutir aqui.

Também pudera. Tem sido angustiante assistir aos jogos do Cruzeiro, de machucar o coração de qualquer torcedor Celeste. Difícil de acreditar que meu Cruzeiro, um gigante da história do futebol, tenha um time que não gere a menor expectativa de gol.

O Celso Roth chegou e com ele a estabilidade na defesa. Já são dois jogos sem tomar gols, mas também são dois jogos sem marcar. E vitórias, meus amigos, não se constroem com 0x0.

Um jogador pode fazer a diferença? Sim, e como pode! Hoje, enquanto esteve em campo, o Tinga deu uma nova cara para o Cruzeiro. Depois que ele saiu, o time desapareceu.

Nosso ataque é formado inteiramente por jogadores toscos, ridículos, despreparados e sem faro de gol. Até mesmo a decisão de se colocar o Montillo no ataque me parece equivocada, pois perdemos com isso a nossa principal arma no meio, e não ganhamos muito mais no ataque.

Hoje, descolamos um empate sem gols contra o Náutico. Não quero nem ver quando pegarmos times de ‘primeira’ divisão.

Chego a pensar de conseguirei acompanhar as demais partidas do Cruzeiro, viu? Gosto demais do meu time para vê-lo assim, sofrendo, definhando e longe de lembrar aquilo que já foi um dia.

Vejo nossos adversários com times muito fortes. O Santos com Elano, Arouca, Ganso e Neymar. O Inter com Dalessandro, Dagoberto, Damião e Dátolo. E o Cruzeiro com Montillo e... o Montillo. Talvez, agora, o Tinga. Talvez.

Hoje, se eu fosse presidente do Cruzeiro, não sei se não faria uma loucura para contratar um atacante de verdade. Pois este resto que está ai é de decepcionar qualquer um. Eu tenho nojo do ataque do meu time com WP9.

Estou bem chateado e igualmente preocupado. Pode até ser cedo para falar, mas confiança é artigo raro para quem viveu o que viveu no ano passado.

Se dias melhores virão, já passou da hora deles chegarem. E com urgência.

Vamos Cruzeiro! Vamos voltar a ser o Cruzeiro que sempre fomos.

NOTA: Pessoal, a Sampa Azul continua fechada para reformas. Fiquem ligados aqui no Blog, em nosso Twitter e também em nosso Grupo no Facebook para ser informado da reabertura.

quinta-feira, 10 de maio de 2012

De grande, só a camisa.



Estou tentando buscar palavras para descrever este momento do Cruzeiro, mas tudo o que me vem a cabeça são palavrões. Isso, além de um sentimento profundo de desgosto e vergonha.

Quem pensou que 2011 foi um ano difícil não perde por esperar o terrorismo que nos espera neste restante de 2012. Temos um time muito, mas muito pior do que aquela aberração que vestiu a camisa do Cruzeiro no ano passado.

Depois da Libertadores de 2009, tudo o que a antiga diretoria do Cruzeiro fez foi esmigalhar nosso elenco. Foi vender nossos poucos bons valores, deixar escapar os mínimos diferenciais que tínhamos. Até que não sobrou nada... ou quase nada.

O Dr. Gilvan, coitado... herdou essa conta maldita e segurou o Montillo. Pegou o time com o penico na mão e vem lutando, a duras penas, para fazer algo melhor. Por isso – apesar dos pesares – não há como cobrar ou responsabilizá-lo por nada. Ele ainda merece e conta com o meu apoio. Ao nosso atual presidente só atribuo dois erros. A manutenção do Mancini e do Dimas Fonseca, logo no começo do ano.

Manter o Mancini todo este tempo foi um baita erro. Trazê-lo já foi incrivelmente errado, mas mantê-lo mesmo depois de uma pré-temporada tosca, um campeonato mineiro ridículo e SETE (oito, contando com hoje) jogos saindo perdendo.

Deste mal, nos livramos. Assim como também nos livramos do lenga-lenga do Dimas, que nos rendeu incríveis reforços como Jackson USA, via DVD (pasmem), Fábio Lopes – o foguete japonês - Marcelo (baixa a cabeça e corre) Oliveira, entre outros. O Alexandre Mattos mal chegou e já trouxe o Alex Silva e o Sousa.

E pensar que, não faz muito tempo, tivemos um meio de campo com Ramires, Charles em boa fase e Fabrício. Hoje temos Marcelo Oliveira e Leandro Guerreiro. L-e-a-n-d-r-o  G-u-e-r-r-e-i-r-o é TITULAR do meu time. E, acreditem, este não é um blog do Botafogo! (se fosse, pelo menos veria uma bandeirinha gostosa quando fossemos no estádio para ver, porque futebol...).

Esses dois, fora outros tantos meia canja que vestem a camisa estrelada como Wellington Paulista, Anselmo Ramom, Diego Renam... É muito jogador abaixo da média para um time só. E os poucos que pensam agem como o Roger que, com 89 anos de experiência no futebol, reincide em expulsões de jogos importantes por motivos babacas.

Diego Renam e Everton são toscos. O Everton ainda é esforçado e em um time minimamente arrumado, pode compor elenco. O Diego Renam deve urgentemente ser emprestado. Entre outras coisas mais que sequer vou comentar.

Agora, nos resta torcer para que nossa diretoria entenda a grandeza do Cruzeiro e não me venha com nomes ridículos para o comando do time. Entendam que um time do porte do Cruzeiro precisa – é pré-requisito – ter um treinador experiente e com história. Nada de apostas de treinadores oriundos de times minúsculos e/ou medianos.

Isso, é claro, além de jogadores descentes. CHEGA de apostas e jogadores de DVD. O nosso time está inflado com jogadores ridículos que sequer jogam, como Bobô, Arias (o craque que nunca jogou), Fábio Lopes e outros tantos... Queremos jogadores de verdade!

Sobre o jogo, nada a declarar. Afinal de contas, perdemos 4 PARTIDAS SEGUIDAS para times de SEGUNDA divisão. Mais um record do Mancini.

Sobre o futuro, prefiro deixar pensamentos positivos. Afinal de contas, em breve jogaremos em BH novamente. Teremos a volta de Montillo, Rudnei (que mostrou ter um mínimo de habilidade), Charles. Temos Souza e Alex Silva como primeiros bons reforços e, possivelmente, outros bons nomes devem chegar.

Tomara que tenhamos dias melhores pois, do jeito que está, o projeto Segundona pode acontecer ainda no primeiro turno do Brasileirão.

Quero o Cruzeiro que aprendi a amar de volta. Tomara que nossa diretoria seja capaz de resgatá-lo.

Vamos Cruzeiro!