quarta-feira, 27 de janeiro de 2010

Cruzeiro 1 x 1 Potosí, Juiz e Altitude

Um empate marcou estréia do Cruzeiro na Taça Libertadores 2010. Ainda sob a desconfiança do último resultado contra o mesmo Real Potosí (5x1 na Bolívia, em 2008) o Cruzeiro tratou de preparar-se melhor para a partida da últim quarta-feira para não repetir a experiência negativa.

Dentro de campo, o time tratou de mostrar sua superioridade logo aos 7 minutos, quando W. Paulista abriu o placar para a equipe estrelada.

O gol deu mais tranquilidade a equipe, que tocava a bola com sabedoria, evitanto a correria e o consequente desgaste da altitude. No entanto, aos 20 minutos do primeiro tempo, o experiente Gilberto (logo ele, jogador de seleção e com bagagem de Copa do Mundo) entrou na catimba do time boliviano e deu dois socos no jogador adversário, sendo expulso e deixando apreensiva a torcida celeste.

Mesmo com um jogador a menos, a raposa soube se postar em capo e manteve um jogo de igual para igual contra o fraco Potosí.

O segundo tempo teve um panorama diferente. Apesar da primeira chance clara de gol ter sido do esquadrão celeste, o Real Potosí veio mais agressivo e aguerrido a campo. Mas com a saida de W. Paulista e a entrada de Jonathan, o clube boliviano teve um aumento no volume de jogo e passou a pressionar o time do Cruzeiro, que saia para o jogo com chutões pouco produtivos do goleiro Fábio.

Há de se registrar que a arbitragem teve um papel negativo no jogo. Apesar de nenhum lance capital ter origem em erros do juiz, o árbitro claramente não marcava infrações claras a favor do Cruzeiro, ao mesmo tempo em que permitia jogadas violentas do time da casa.

Aos 43 minutos, em uma jogada que o Cruzeiro não matou no meio campo, o time boliviano descontou com Correa, que arrematou para a rede ao receber um cruzamento livre dentro da área celeste decretando números finais a primeira partida da eliminatória.

Para quem enfrentou o temido fantasma da altitude, e considerando que foi um jogo fora de casa, um empate não foi de todo mal. Mas quem assistiu a partida fica com um gostinho claro de que a vaga poderia ter sido definida já no jogo de ida.

A primeira disputa na LA 2010 teve um pouco de tudo que vivenciamos durante todo o ano passado: gol azul no começo, jogador expulso e gols sofridos no fim do jogo. De tudo isso, que só as coisas boas persistam. Agora é entrar com tudo no Mineirão, jogando com seriedade. Pois, 11 contra 11, o Cruzeiro tem mil vezes mais time que o fraco time boliviano.

Festa na Sampa Azul

Que a torcida do Cruzeiro é um show a parte, isso todo mundo já sabe. Enquanto alguns guerreios foram até Potosí representar nossa nação, a galera de Sampa também fez bonito no QG.

A estréia na Libertadores teve, como sempre, um ótimo público na embaixada paulista. Frequentadores assíduos e novos amigos se juntaram em uma corrente que promete muita energia positiva e alegria durante o ano de 2010.

Se o time fizer bonito como nossos torcedores, certamente ganharemos tudo em 2010. Abaixo um breve registro da festa que animou a galera neste primeiro desafio.



Quarta que vem tem mais. Até lá!

quinta-feira, 21 de janeiro de 2010

2010 Começou Azul!



Placar elástico, artilheiro arrebentando, goleiro batendo marca histórica... Foi assim que a nação celeste começou 2010, ano em que poderemos esquecer 2009 e ganhar tudo. (Ou será que veremos o time amarelar de novo?) Bom, o jeito é torcer como sempre para as conquistas.

O jogo desta quarta tava mais pra "jogo-treino". Bastante toque de bola e poucas faltas, até acontecer um pênalti no meia Bernardo. Kléber Gladiador, que apesar do gol salvador contra o Santos na última rodada do brasileirão 09 ainda carregava a desconfiança de parte da torcida, foi par a cobrança com paradinha e...... ERROU!

Parecia estar nervoso pois, logo depois, perdeu outro gol "cara a cara" com o goleiro do Uberlândia.

Aos 32 min, o garoto Diego Renan arriscou um belo chute de fora da área que explodiu na trave adversária, sobrando para Thiago Ribeiro completar no rebote e abrir o placar - e o ano - cruzeirense.

Já no fim da primeira etapa, Kléber recebeu um lançamento, passou pelo goleiro e empurrou para as redes completando o placar do primeiro tempo. O curioso foi que ele não comemorou o feito.

Veio a segunda etapa e com ela a chuva... Uma chuva de gols para agitar a nação celeste. Aos 17 minutos, Kléber foi empurrado na área e o juíz marcou mais uma penalidade a favor do Cruzeiro. Dessa vez o Gladiador, sem paradinha, foi lá e converteu o gol, comemorando com a Máfia.

O quarto gol também foi especial. Em seu oitavo jogo com o manto celeste, Caçapa enfim marcou seu gol com pinta de atacante. O zagueirão dominou e bateu com confiança para o 4º gol. (Vejo ele como um jogador mais efetivo do que Thiago Heleno, por exemplo).

Quanto mais a chuva apertava, mas o Cruzeiro se soltava. Aos 38 minutos, Marquinhos Paraná entrou livre na área mas perdeu o gol. No rebote, a bola sobrou para o Guerrón que parou, fez que ia pra dentro, mas enfiou um cruzamento milimétrico para o Kléber, o nome do jogo, marcar seu terceiro gol, o quinto do cruzeiro.

De mão cheia, o torcedor já estava contente, mas pelo jeito os guerreiros não. Tanto que um minuto depois, Diego Renan fechou a goleada azul, marcando 6 a 0 no placar do Mineirão.

Ótima estréia, mas mem muita festa. Agora é hora de concentrar para o nosso maior objetivo, a Libertadores, que por pouco não veio para nossas mãos ano passado.

Marca Histórica de Fábio:

Quem teve um motivo especial para comemorar foi o goleiro Fábio, que alcançou a marca de 306 jogos com a camisa estrelada se igualando ao goleiro Dida, que até então era o terceiro goleiro que mais vestiu o manto sagrado.

O goleiro - campeão da Copa do Brasil pelo Cruzeiro em 2000 sem entrar em campo, agora segue firme em busca de novos títulos e de mais jogos para ultrapassar o ídolo Raul, campeão da libertadores em 76 que tem a marca de 557 jogos com a camisa cruzeirense.

Parabéns guerreiro! Que você tenha muito mais jogos defendendo o nosso cruzeirão e que venham os tão sonhados títulos que todos nós esperamos e merecemos. São os votos da SAMPA AZUL!

Zêrooooooo!

sábado, 16 de janeiro de 2010

Sampa Azul na Internet


Olá amigos,

Para começarmos 2010 em grade estilo, gostaria de convidá-los a divulgar a Sampa Azul na internet.

Além das informações deste Blog, nosso grupo de amigos contará agora com uma comunidade no Orkut (site de relacionamentos) e uma conta no Twitter (Serviço de Microblog).

Para ficar por dentro de tudo o que acontecerá na Sampa Azul, quais os jogos serão transmitidos e ficar por dentro de promoções, fique ligado por um desdes meios e, claro, em nosso Blog Oficial.

Para acompanhar a Sampa Azul nestes serviços, basta clicar nos links abaixo.

Twitter
Orkut

Divulguem. Espro vocês lá!

Abraços

sábado, 9 de janeiro de 2010

Cruzeirofolia. Você compraria um abadá celeste em 2010?


Como profissional de marketing e criação publicitária é inevitável. Sempre reparo em tudo o que se refere a marcas e comunicação. Até mesmo quando o assunto é futebol.

O início de 2009 trouxe uma grata surpresa para mim (e para toda a torcida celeste). Na ocasião, o Cruzeiro e a Reebok lançavam aquela que - na minha opinião - era uma das camisas mais bonitas que o time já teve. Limpa, sem patrocínios, sem detalhes gritantes, dentro da tradição celeste.

Se a camisa do início de 2009 agradou a torcida, 2010 chega para deixar todos os amantes do Cruzeiro realmente apreensivos. O recente acordo entre Cruzeiro, o Banco BMG e a loja de varejo Ricardo Eletro transformaram o manto celeste em um verdadeiro "Abadá", colorido, poluído e em desacordo com nossa tradição e longe da aprovação da torcida.

Poucas vezes uma camisa desagradou tanto à torcida celeste que, via internet, tem protestado veementemente contra a maneira que os novos patrocinadores aparecem na camisa.

As primeiras respostas enviadas pelo depto. de Marketing do Cruzeiro diziam que o clube tinha que respeitar a identidade de seus patrocinadores. A resposta desagradou ainda mais a torcida que intensificou os protestos. No Orkut - um famoso site de relacionamentos - a principal comunidade do Cruzeiro possui tópicos que já ultrapassam 600 postagens em desagravo aos novos patrocinadores.

A crescente revolta e manifestação da torcida parece ter chegado aos ouvidos da directoria do Cruzeiro que, agora, responde aos e-mails com uma resposta padrão mais bem elaborada, dizendo que está trabalhando para convencer os novos parceiros a estamparem suas marcas em branco na camisa celeste.

Você sabe o porque a nova camisa incomoda tanto?

Me lembro como se fosse hoje. Ao ver a tradicional camisa do Santos (branca, como Pelé consagrou) ser "destruida" por uma marca gigante da STI no meio do peito, pensei: "Ainda bem que no Cruzeiro isso não acontece".

Meses depois, o Coritiba acertou patrocínio com o próprio banco BMG, e novamente eu pensei: "Ainda bem que o Cruzeiro não permita que os patrocinadores desgracem nossa camisa com logos berrantes como este".

Hoje pago minha língua, pois vejo os dois elementos que mais aniquilam as camisas de clubes, juntos, na camisa do Cruzeiro:
• Um logo extremamente grande, que se impõe ao escudo e cores do clube.
• Logos de patrocinadores aplicados com cores que não condizem com a tradição e história dos clubes que escolheram.

No caso do Cruzeiro o caso é ainda mais grave, uma vez que o azul celeste "vibra" na mesma intensidade do laranja do banco BMG, causando um incomodo visual quando olhamos a camisa.

Um pouco de teoria de cores.

Ao ingressarmos em cursos de design, publicidade e atres, aprendemos um pouco sobre teoria de cores. Como trabalhar com cores complementares e análogas.

Assim como o branco encontra o seu oposto no preto, o vermelho tem o verde como cor contrária, assim como o azul e o laranja se opõem. Conforme você une estas duas cores opostas em um layout, se estas cores tiverem a mesma intensidade de brilho (se forem parecidas no brilho), o resultado é um incômodo visual bem forte.

O laranja BMG e o Azul do Cruzeiro vibram de forma bem parecida. Por isso o logo parece ainda mais feio do que realmente é na camisa de jogo principal do clube.

Reparem que no unifirme de treino, onde o azul é mais escuro (ou seja, vira de forma diferente do laranja BMG) o logo do patrocinador já não incomoda tanto.

justamente por este motivo, as grandes empresas em seus manuais de identidade desenvolvem logotipos com diferentes aplicabilidade. Em outras palavras, para este caso em específico, o BGM deveria possuir e aplicar o logo branco (negativo) na camisa do Cruzeiro.

Detalhe. No site oficial do Cruzeiro, o logo já aparece aplicado nesta vesão. Ou seja, literalmente não exitiria motivos para não modificar o logo no uniforme 1 também.

Clubes que passaram por problemas semelhantes e tomaram uma atitude.

Muitos clubes passaram e passam por situações parecidas com esta que o Cruzeiro vive hoje. Veja alguns exemplos.

Corinthians / Medial (2008)
Em 2008, a Medial Saúde (empresa possui o logo oficial na cor verde, a mesma do Palmeiras) decidiu patrocinar o Corinthians. No entanto, o clube paulista só permitiu que a Medial estampasse a marca em preto na camisa do clube.

Interncional / Banrisul (Atual)
A marca da Banrisul é azul. No entanto na camisa do Inter ela entra em vermelho, mesmo no uniforme branco.

Palmeiras / Suvinil (2008)
A torcida do Palmeiras ficou revoltada com a Suvinil espampando a sua marca tradicional na camisa do Palemiras. Nas primeiras camisas, a empresa de tintas aplicou o logo com as 3 barras horizontais na camisa do clube, o que desagradou muito aos torcedores. Através de uma campanha forte, a torcida conseguiu adaptar o logo da empresa na camisa verde.

E estes são apenas 3 exemplos dentre tantos outros. Até mesmo o Atlético-MG teve força o suficiente para estampar a marca da Fiat em Preto na camisa quando a marca era formada pela tradicional sigla FIAT dentro de quadrados azuis, no final dos anos 90.

Um dos mais louváveis exemplos de respeito a camisa (e porque não dizer, jogada de marketing) foi dado pelo Banco Hipotecario Nacional, ao patrocinar o racing da Argentina. Como relatado na matéria do site "universidade do Futebol", a instituição financeira decidiu comprar o espaço para mantê-lo limpo. Segundo o director do banco, a intenção era devolver a camisa do clube para a torcida.

Providências já.

Proteger a imagem dos patrocinadores é importante, mas resguardar a imagem do Cruzeiro é ainda mais prioritário.

O Cruzeiro é conhecido pela sua história, tradição e conquistas. O símbolo que sintetiza tudo isso é a nossa camisa. Ou seja, o manto celeste faz parte da marca do clube e precisa ser preservada.

As cores de um clube, assim como sua camisa, tem de ser respeitadas pelos patrocinadores e cabe ao clube exigir isso dos interessados em estampar suas marcas na camisa do Cruzeiro.

No final dos anos 90, o Cruzeiro substituiu as estrelas soltas pelo escudo a pedido da Hicks Muse. Para isso, chegou a "modificar" a pesquisa que inqueria a torcida sobre a preferência entre estrelas X escudo, tudo para atender aos patrocinadores.

A história ensina. espero que a directoria tenha aprendido a lição.

Particularmente, prefiro confiar no departamento de marketing do Cruzeiro. Tenho para mim que eles são profissionais sérios e dedicados a fazer o que for melhor para o clube. Projetos como a Confraria Celeste mostram que o clube esta no caminho certo. Só não podemos jogar para traz tudo o que conquistamos, nossa história e nossa identidade.

Manter as marcas como estão hoje é pior para o clube, para a torcida e para os patrocinadores, que passam a ganhar o "ódio" da torcida, uma espécie de "anti-marketing"

Pesquisas feitas na internet (Orkut e Blogs sobre o Cruzeiro) mostram que 88% da torcida desaprovou a disposição das novas marcas. O mesmo percentual não pretende comprar os novos uniformes de 2010 se as marcas continuarem assim.

Cabe agora ao Cruzeiro mostrar que respeita nossas tradições e nossas cores. Pois se o respeito a isso não partir do próprio clube, estaremos definitivamente classificados como "time médio". Afinal os grandes, como vimos acima, já mostraram que nada é mais importante que a sua história.

E agora, Cruzeiro… como queremos ser vistos?

quarta-feira, 6 de janeiro de 2010

A maior de MG, ainda maior...


Saiu neste início de 2010, uma pesquisa realizada pelo Instituto Datafolha - um dos mais respeitados do Brasil - sobre o ranking das torcidas brasileiras.

Dentre as "novidades", os números destacam o crescimento das torcidas de Flamengo e Corinthians em seus estados, ao mesmo tempo que aponta o Cruzeiro como destaque em MG.

Bem que os atleticanos tinham razão. Eles sempre diziam que o fato de nossa torcida ser o dobro da deles era uma mentira. E a nova pesquisa - de fato - confirma isso. Somos MAIS QUE O DOBRO de nossos rivais citadinos.

O maior "OFF-EIXO"

Outro ponto importante destacado pela pesquisa é o fato do Cruzeiro ter recuperado a melhor colocação dentre os times fora do eixo Rio/São Paulo. Com 4% da preferência dos brasileiros, o Cruzeiro ocupa a 6ª colocação no ranking nacional de torcidas, superando assim o Grêmio, time que sempre reveza conosco esta posição.

Para ler a matéria completa sobre o assunto, existe uma matéria muito bacana no site da globo, com tabelas, gráficos e muito mais. Basta clicar aqui.

Quem quiser, pode acessar os dados diretamente do site do Datafolha nos seguintes links:


Particularmente eu não sou muito ligado neste negócio de números de torcedores. No entanto, no que diz respeito a negócios, a nova colocação celeste no ranking de torcidas pode trazer bons negócios para a Toca. Basta a diretoria do clube saber explorar estes números para trazer vantagens para nosso Cruzeiro.

A supremacia celeste no estado não é nenhuma novidade. Mas que é bom poder começar o ano com a confirmação da forca de nossa torcida, isso é.

Saudações a todos.