domingo, 29 de setembro de 2013

Série difícil? Difícil é jogar contra o Cruzeiro!



4 minutos, gol do Cruzeiro. 5 minutos, gol do Inter. E começa o jogo...

Eletrizante. Este foi o início de uma partida que já começou 1x1. E olha que 1 minuto depois dos gols, o Cruzeiro já tinha chance de fazer o segundo.

O jogo contra o Inter, fora de casa, era o segundo daqueles considerados ‘os piores’ na saga deste time em busca do caneco de 2013. Corinthians e Inter, ambos fora de casa, era uma parada duríssima. Só que duro mesmo é pegar o Cruzeiro, seja no campo que for.

O time estrelado até começou bem a partida, tocando bem a bola. Desfalcado de Goulart e de Lucas Silva, o time foi com Dagoberto e Henrique para o jogo. Com isso, o time estava marcando menos que o normal.

Sorte nossa que o Inter não contava com os bons D’Alessandro e Scocco, especialmente com o primeiro. Egídio estava levando um baile pela ala esquerda. E levou também um amarelo.


Para o segundo tempo, M. Oliveira sacou o amarelado camisa 6 e colocou Ceará na esquerda, enquanto o bom menino Mayke ocupava a ala direita. Com isso o time se acertou mais em campo.

Logo aos 8 minutos da etapa complementar, Dagoberto lançou a bola para William. O camisa 41 recebeu, parou, preparou e deu um chute cirúrgico, clínico, teleguiado... coisa de jogada de sinuca e a bola acabou no cantinho do gol de Muriel. Era o segundo gol do Cruzeiro.

O jogo era perigoso, mas o Cruzeiro soube se impor. O Inter partiu com tudo para buscar o empate, mas o Cruzeiro era muito perigoso nos contra ataques. No finzinho do jogo, Borges chutou uma bola que saiu a esquerda do gol colorado, tirando tinta da trave.

Melhor na etapa complementar, o Cruzeiro soube segurar ao placar e a bola, com bons toques e tabelas. Fim de partida e o Cruzeiro, aproveitando a bobeada do Botafogo e do Atlético-PR, abriu 11 pontos do segundo colocado.

Um excelente resultado. Daqueles que deixam até difícil a minha missão de pedir calma.


Jogo a jogo, galera. Sim eu sei que estamos muito na frente. E, mais do que isso, o futebol do time é muito convincente. Mesmo assim... calma! Vamos jogo a jogo em busca do caneco.

E, uma vitória importante dessas, além de somar pontos valiosos para o time, também marcou a estréia do novo QG na rua Tabapuã, com ÓTIMO PÚBLICO. Muitos amigos chegando ao novo QG pela fácil localização. Muita gente falando que agora ficou mais fácil de acompanhar aos jogos conosco.

Aliás, aqui cabe um comentário pessoal: A-NI-MAL o novo QG, a disposição, o espaço, a chegada... Quem não foi, fica aqui a minha recomendação e o meu convite.

Sampa Azul com o pé tão quente, quanto no chão. Mas a cabeça... ah... essa, meus amigos está lá nas alturas!

Vamos Cruzeiro!

terça-feira, 24 de setembro de 2013

Camisa Sampa Azul 2013


Por favor enviar o e-mail com assunto: Camisa 2013

domingo, 22 de setembro de 2013

COMUNICADO URGENTE: MUDANÇA DE ENDEREÇO.


Prezados amigos da Sampa Azul,

Estamos aqui para comunicar que a nossa sede mudará novamente de local.

Deixaremos o QG da Vila Mariana e migraremos para o bairro do Itaim, no bar Matriz Mineira, localizado na Rua Tabapuã, 1431.

A mudança deve-se ao fato de que os vizinhos do restaurante ‘As Mineiras’ estão incomodados com os jogos realizados em horários muito tarde e isso vem causando problemas para os donos do local.

Nós somos extremamente agradecidos aos donos do ‘As Mineiras’ pela forma acolhedora com que eles nos receberam nestes meses todos em que o restaurante foi o ‘nosso Mineirão’.

Do fundo do coração, obrigado.

Nosso objetivo principal é manter um lugar onde o torcedor cruzeirense possa se sentir em casa, possa externar sua alegria. Sim, somos barulhentos... ainda mais neste momento tão especial do time. E esta mudança para um bairro menos residencial vai nos proporcionar a possibilidade de torcer com mais liberdade e ainda mais alto.

Pedimos a compreensão e a união de todos nossos amigos neste momento de mudança para que, aquela torcida e vibração que vivemos juntos nos grandes jogos, nunca acabe na capital paulista.

Já no próximo jogo, contra o Internacional, já não haverá mais transmissão no bar da Vila Mariana. Será, exclusivamente, na nova sede!

De positivo, fica o fato de que a nova sede é muito bem localizada e com uma capacidade de público muito superior ao antigo QG. Ou seja, poderemos crescer ainda mais e acomodar mais torcedores.

Juntos somos mais fortes. E estaremos sempre #FechadosComOCruzeiro.

ANOTE AÍ O NOVO ENDEREÇO:

Matriz Mineira
R. Tabapuã, 1431, São Paulo, 04533-014 ‎
Tel. (11) 3071-1165
www.‎matrizmineira.com.br


Gratos,

Conselho Sampa Azul.

Um pouquinho mais a frente.




O jogo foi dividido em dois tempos. O primeiro, quase impecável, e o segundo, cheio de pecados.

A torcida celeste abarrotou o seu espaço no Pacaembú. Era final do primeiro tempo e ainda havia gente entrando no estádio. E o que viu no primeiro tempo foi para se encher a torcida azul de esperança.


O Cruzeiro passeou em campo, teve pelo menos 3 chances claríssimas de gol e um pênalti não marcado a seu favor. Cássio fez 2 milagres e garantiu o zero no placar.


O time celeste marcava pressão a saída de bola do Corinthians, Borges corria atrás de todas as bolas, o meio de campo mordia demais e o time tinha toques envolventes em campo.

Estava tudo tão bom, que não deu para entender saída de Borges para a entrada de J. Batista, no segundo tempo. O que mudou também foi a postura dos times e o Corinthians passou a ser mais perigoso.


J. Batista não tinha a mesma disposição do Borges para marcar a saída de bola, o que deu mais liberdade para a saída de bola paulista. Com isso, o Corinthians teve, pelo menos, duas chances de gol.

Não deu para entender nada, quando o R. Goulart, que estava se movimentando muito, saiu para a entrada do A. Ramon. Porra, professor... A. Ramom? Sério?

O Corinthians colocou Pato em campo e o Cruzeiro respondeu com Dagoberto no lugar de William. Olho na bola, olho no placar eletrônico. Os dois momentos de festa da torcida celeste no segundo tempo foram os anúncios dos dois gols do Bahia sobre o Botafogo.

Galera animada, empurrando o time e, nos acréscimos, J. Batista perdeu um gol cara a cara com Cássio. Ele podia dar um toquinho por cima, rolar para o Dagoberto, mas acabou chutando e perdendo o gol feito.

Empatar com o Corinthians fora de casa nunca é um mal resultado. Mas dava para mais... muito mais. Menos mal que o Botafogo vacilou e acabou por deixar a torcida azul mais satisfeita do que insatisfeita. Afinal de contas, acabamos uma rodada perigosíssima um pontinho mais distante da concorrência.

Agora é se preparar para o embate ante o Inter, no Sul. Outro jogo dificílimo para a Raposa. Mas com o nosso futebol, dá para conseguir um algo mais.

Vamos Cruzeiro!

quarta-feira, 18 de setembro de 2013

Explode coração, na maior felicidade.



Confronto de líderes. Mineirão lotado. Sampa Azul com record de público, gente de pé, escorada até mesmo no limite da visão da televisão. Eu, que estava super apreensivo com o jogo, sabia alí que a vitória seria nossa. Não poderia haver outro resultado.

Com a bola rolando, o Cruzeiro fez um primeiro tempo muito mais incisivo que o Botafogo, embora os dois times tenham apresentado um ótimo futebol, de toque de bola, sem afobação na saída de bola. E, depois de perder pelo menos dois gols em lances de cruzamento que passaram centímetros dos pés dos atacantes celestes, foi Nílton, já aos 46 do segundo tempo, em um ‘voleio de calcanhar’, que tirou o primeiro zero do placar.


A Sampa Azul explodiu e acordou toda a vizinhança, em uma festa só.

Logo no começo do segundo tempo, pênalti para o Botafogo. Seedorf bateu e errou. Nova explosão na Sampa Azul.

O jogo virou uma batalha emocional pura. O Cruzeiro se encolhia, marcava como podia, havia estratégia, mas ela era sobreposta pela raça e correria. O Botafogo pressionava e o Cruzeiro tentava buscar contra ataques.

Nílton saiu machucado, para a entrada de Henrique. Dagoberto e Júlio Batista também entraram no time celeste. Aos 36, uma arrancada de Éverton Ribeiro acaba em trombada na área e o juiz marca pênalti. Júlio Batista bateu e Jefferson ainda tocou na bola, antes de entrar para fazer 2x0.

O gol estraçalhou o Botafogo emocionalmente e o Cruzeiro recobrou um pouco mais a sua organização. Como recompensa, fez o gol de misericórdia aos 42, também com Júlio Batista, depois de contra ataque fulminante puxado pelo próprio camisa 10, que tocou para Dagoberto, que devolveu para ‘La Bestia’ arrematar e fechar a conta.

Cara... não tenho mais o que dizer. A não ser mostrar para vocês um pouco do que foi este dia de hoje, com fotos e vídeos da nossa Sampa Azul.



Vai ser difícil dormir hoje. Sem palavras!


Que venha o Corinthians no domingo. Vamos Cruzeiro!
Um jogo de cada vez, com os pés no chão, mas a cabeça no objetivo maior.

sábado, 14 de setembro de 2013

Vencendo até o juiz.



Mais um da série ‘mini-finais’ que o Cruzeiro está passando. E mais uma vitória que valeu por dois, uma vez que a Raposa venceu o bom time do Atlético-PR e um erro bisonho da arbitragem.

Com a bola rolando, os dois times começaram a partida marcando a saída de bola um do outro. Foi um verdadeiro jogo de paciência, de xadrez. Mas o Cruzeiro conseguiu se impor. A recompensa veio aos 35, em cobrança de escanteio que sobrou para os pés de Nílton garantir o gol do jogo e o selo ‘hoje tem’ com a patroa. (rs)

Minutos depois, em ótima jogada de contra-ataque, Mayke cruzou para Ricardo Goulart, mas muuuuuito atrás da linha da bola, receber e encobrir o goleiro, naquele que seria o segundo gol celeste. Mas a dona bandeira, em uma das atitudes mais bisonhas que eu já ví em um profissional do setor, levantou a bandeira, abaixou rapidamente, quando viu a m... que fez e o sr. Juiz acabou por colocar a cereja do bolo, invalidando o gol, mesmo sabendo que o lance havia sido legal.

Vergonhoso e tosco. O próprio juiz reconheceu a falha ao final da partida.

Menos mal que não precisamos do gol. Na volta do segundo tempo, o Cruzeiro começou a partida muito bem, teve boas chances de marcar e soube anular o time do Atlético-PR, que pouco fez na partida.


Fim de jogo e mais uma vitória importantíssima para a Raposa nesta séria de finais contra adversários diretos ao título.

Quarta que vem, mais uma mega pedreira, contra o ‘vice-líder’ Botafogo. Mas no Mineirão, por mais difícil que possa ser o adversário, eu sou SEMPRE mais Cruzeiro.


Festa no Mineirão, festa na Sampa Azul. Que seja sempre assim até o fim do campeonato.

Vamos Cruzeiro!