terça-feira, 3 de fevereiro de 2015

No meio do problema.



Meu lado corneta anda meio hiperativo esses dias. Pode ser esse marasmo sem grandes jogos, ou as mil e uma manchetes do vai e vem do mercado que mentem e se desmentem com uma velocidade incrível. Não sei ao certo.

Agora há pouco li uma notícia que me preocupou bastante. Nosso querido Gilvan deu  uma declaração sobre as negociações do Cruzeiro, e pode ser que a vaga de Éverton Ribeiro continue em aberto por tempo indeterminado. Complicado.

O time que começou o jogo domingo no campo de várzea do Democrata contava com quatro atacantes. Isso mesmo, quatro! Leandro Damião, Marquinhos, William e o garoto Judivan eram os encarregados da criação e conclusão das jogadas. Que eu esteja errado, mas nenhum desses aí joga de meia.

“Ah, mas é o Mineiro!”, alguém vai dizer. E sim, é o Mineiro! O campeonato cheio daqueles times que você nem sabe de onde vêm era para ser a extensão da nossa pré-temporada. Eu realmente acreditava que estrearíamos na Libertadores com um time redondo. Vai ser difícil.

Para a posição, temos De Arrascaeta que chegou com muito prestígio. Mas só o vimos uma vez, e nem com a bola nos pés ele estava. Não jogou no último amistoso e não jogou domingo, com a desculpa que “estava sem ritmo de jogo”. Ué, vai ganhar ritmo como então?

Estou preocupado com esse começo de temporada. Ainda não temos um time para começar a estreia da competição mais importante do ano, que, olha lá, é em três semanas. Espero que os próximos capítulos acalmem essa hiperatividade do meu lado corneta. Caso contrário, já vou encomendar a Ritalina.

Um comentário:

Ilacir Rodrigues disse...

As equipe brasileiras não aguentam manter grades jogadores por muito tempo. Conseguiram dois anos bons para a equipe cruzeirense e logo já vieram propostas milionárias, para enfraquecer aquela equipe de 2013 e 2014. Esperávamos a mesma equipe para 2015, mas com o desmanche daquela equipe, confesso que fiquei frustrado e desiludido, por enquanto, com as reposições de jogadores que fizeram.
Os Clubes ficam mais endividados nas competições em que são consagrados campeões, além das variadas despesas com a UNIÃO, são tantos encargos. Mesmo que vendam muitos produtos do Clube, não dá para o pagamento de tantas despesas.
Vamos confiar, ainda dá tempo para entrosamentos e Marcelo Oliveira é um treinador inteligente, mas faz o que pode com o material humano que tem.
De qualquer modo, sou Cruzeiro sempre.
Não tenho assistidos aos jogos, porque estou para o carnaval. Mas, acompanho os noticiários, que realmente é preocupante.