quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Não tem jogo fácil, meu amigo.


Houve quem pensasse que a partida do líder Cruzeiro contra o lanterna Bahia seria favas contadas. Mas foi muito diferente disso. Jogando abaixo do seu potencial no primeiro tempo, o Cruzeiro saiu perdendo do Bahia e sofreu para virar a partida e manter a importante 'gordurinha' para o embate com o São Paulo, próximo domingo.

Mal o jogo começou e a Raposa meteu uma bola na trave, com Manoel. Sem lateral esquerdo de ofício, o Cruzeiro improvisou o Ceará na posição e sofreu com as constantes investidas do Bahia por aquele lado do campo. Problema esse que foi agravado pela entrada de Marquinhos – por opção do nosso técnico – no lugar de William, desgastado. Todo nosso lado esquerdo do campo esteve capenga.

Apesar disso o Cruzeiro ainda enfiou outra bola no travessão do Bahia, em cobrança de falta de Lucas Silva. E em um dos contra-ataques do time nordestino, Rafael Miranda chegou livre pelo lado desprotegido do Cruzeiro e abriu o placar, aos 29 minutos.

O Cruzeiro ainda teve uma boa chance de empatar a partida com M. Moreno, que desperdiçou passe açucarado do R. Goulart já no final do primeiro tempo.

Para o segundo tempo, M. Oliveira colocou Alisson no lugar de Marquinhos e mudou a cara da partida. Logo no primeiro lance, mais uma vez Manoel cabeceou bola perigosíssima, defendida pelo goleiro M. Lomba, que mais uma vez se jogava no chão e fazia ‘cera’. Aliás, o que os jogadores do Bahia gritavam com o juiz era uma grandeza, enquanto todos os seus jogadores retardavam a partida a todo custo.

Pouco depois, R. Goulart recebeu a bola na área, ia virar para armar um passe quando o jogador do Bahia tocou nele. Eu – que costumo reclamar da arbitragem quando eles erram contra o Cruzeiro – me sinto na obrigação de falar que achei o lance normal. Porém, o juiz marcou penalidade para o Cruzeiro. Lance convertido por Éverton Ribeiro, aos 8 da etapa complementar.

Com um jogador a menos depois da discussão no lance do pênalti, o Cruzeiro passou a criar inúmeras chances. Mais ofensivo, uma vez que Dagoberto havia entrado no lugar de Henrique, foram muitas as chances de desempatar a partida.

O Bahia ainda teve um lance incrível de contra-ataque com Railan, que penetrou sozinho pelas costas da defesa celeste – mais uma vez pelo lado esquerdo – e para nossa sorte, chutou para fora.

Quando M. Oliveira iria sacar o R. Goulart da partida, Alisson recebeu bola pela esquerda elavantou com estilo para M. Moreno que, dentro da área, escorou a bola com o peito para R. Goulart fazer o segundo tento do jogo, o gol da virada.

A frente do palcar, o Cruzeiro criou mais e mais chances, enquanto o Bahia tentava – vez ou outra – algum sucesso no ataque. Everton Ribeiro chegou a colocar mais uma bola na trave. 

A duras penas, o Cruzeiro conseguiu virar a partida mais uma vez e manteve importante distância para o time do São Paulo, adversário que vamos enfrentar fora de casa no próximo domingo.



Em um dia pouco inspirado do time e que sofremos com a falta de importantes jogadores, foi uma vitória da perseverança deste time que não desiste nunca.

Agora, domingo que vem, é a vez da torcida celeste aqui de Sampa fazer bonito, como fez a galera do Rio, e abarrotar o seu espaço no Morumbi para empurrar o time para mais um bom resultado.

No que depender da gente, faremos o possível para deixar este confronto um pouco menos ‘fora de casa’ com a força da nossa torcida.


Vamos Cruzeiro!

Nenhum comentário: