quarta-feira, 16 de abril de 2014

Cornetem e torçam contra. Tá dando sorte!

  
Quem diria que estaríamos comemorando um empate contra o Cerro? Mas sim, temos que comemorar, pois este placar é uma soma de lições para todos... time, torcida, adversários. Enfim, todos.

Lição para quem ainda acha que todo jogo contra times ‘menores’ é para goleada.

As dificuldades para o Cruzeiro começaram desde o momento em que o time perdeu duas peças muito importantes, Goulart e Dagoberto, por contusão, antes mesmo de quarta feira.

Pioraram quando o M. Oliveria fez uma aposta muito válida – diga-se de passagem – mas que matou o time no primeiro tempo: a entrada do Élber. Acho covardia ‘cornetar’ o M.O. por ter tentado, por isso não vou fazê-lo, mas a aposta realmente não deu certo.

Não só errou tudo o que tentou como, com os constantes erros, o menino Élber minou as jogadas do time celeste, que passou a evitar o lado direito do campo.

Mesmo assim, o time teve 20 minutos muito bons, onde criou chances em demasia, mas pecava na conclusão. Foi então que aquele velho ditado se tornou verdade. ‘Quem não faz...’.

O Cerro, que NADA havia feito no jogo, marcou o seu em um lance que se iniciou com um escanteio que deveria ser tiro de meta. Na cobraça, Fábio espalmou para a sua esquerda, ninguém acompanhou o jogador do Cerro, que tocou para Romero desviar e fazer 1x0.

O Cruzeiro passava a enfrentar a ansiedade e o placar adverso, uma combinação que eu considero o pior inimigo deste time. Nem mesmo a entrada do Borges no lugar do Élber surtiu muito efeito com o placar adverso.

No segundo tempo, o Cruzeiro permaneceu desorganizado. As entradas de Mayke, Marlone pouco fizeram pelo time. Nitidamente cansado, os jogadores não rendiam, não se movimentavam e colhiam os frutos negativos dos últimos três jogos de muita doação.

Quando tudo parecia não dar certo, chegou a hora de reforçar mais uma lição: JAMAIS duvide do Cruzeiro!

Com 4 minutos de acréscimos, o Cruzeiro – que já havia feito um gol anulado por impedimento – conseguiu o seu heroico empate aos 48 minutos. Em rebote do último lance do jogo, uma falta, Samúdio pegou o rebote para fazer o gol celeste que explodiu a Sampa Azul.

Foi o gol que colocou o Cruzeiro no páreo, em boas condições, dependendo de uma vitória simples fora de casa para passar de fase.

E, para a cornetada que insiste em criticar jogadores ou o time nos momentos de dificuldade, bem como os adversários que insistem em secar o Cruzeiro, deixo a última mensagem: continuem a campanha contra. Está dando sorte.

Porque quanto mais vocês secarem, mais torcerem contra, mais a gente vai avançar na Libertadores.

Para o jogo que vem, todo mundo mobilizado para comparecer na Sampa Azul! Todo mundo, MENOS quem for de ‘corneta’. Esses podem torcer em casa mesmo.


A batalha continua e nós continuamos #FechadosComOCruzeiro.


Vamos Cruzeiro.

Um comentário:

Bernardo Duca disse...

Não acho justo colocar a culpa desse jogo no Elber...Primeiro que o Gulard faz falta demais nesse time (o meio campo esta acostumado a jogar sempre com ele)...depois que ao meu modo de ver, o Cruzeiro estava melhor no jogo enquanto o Elber estava no time...Além disso, ainda acho estranho criticar um menino que acabou de vir da base por erros nem tão fatais quanto aos de outros jogadores mais rodados do time...A zaga ficou olhando o jogo no rebote do Fabio que gerou o gol e o Julio errou pelo menos o dobro de gols que o Elber em lances bem mais próximo as traves...Não quero criticar o Julio e nem transferir toda a culpa pra ele, mesmo porque acredito que ele esta nos ajudando muito, mas não acho justo colocar a responsabilidade em um garoto ao invés de colocar em um cara que ja esteve na seleção brasileira...
Mas apesar de tudo vamos passar de fase...meu palpite para o próximo jogo é 2x0 pra nos...
Libertadores é raça, nos queremos a taça...