quinta-feira, 3 de abril de 2014

Adversários... tremei!



Poucas vezes tive tanto a dizer, porém, de tudo, nada é mais importante do que falar OBRIGADO.

OBRIGADO, OBRIGADO e OBRIGADO!

O evento de hoje na Sampa Azul foi um verdadeiro sucesso. Batemos o nosso record de público e, por mais que nossa vontade fosse de acomodar as centenas de pessoas que compareceram, teve gente que assistiu a partida pela janela, na rua.

O pessoal chegava de tudo que é jeito!
Com o QG lotado, o jeito foi achar uma brechinha pela janela, do lado de fora. Record de público!
Prometemos e cumprimos TUDO. Foi um evento mega especial, com exposição da Taça do Brasileirão, sorteio de brindes, fizemos Sócios do Futebol que levaram sua carteirinha NA HORA e ainda contamos com a ilustre presença da dupla RAPOSÃO e RAPOSINHO.

A Taça do Brasileirão fez sucesso com todos os torcedores. Um MEGA presente para nossa torcida.
Bandeirinhas redam o clima antes, durante e depois da partida. Pura festa.
Foi espetacular. E de todos os OBRIGADOS que eu tenho que dar hoje, aquele que dedico a equipe do Cruzeiro Esporte Clube pelo carinho e atenção com a torcida de São Paulo, só não é maior do que o agradecimento que eu faço a própria torcida... OBRIGADO, nação celeste. Se conseguimos tudo isso hoje, foi porque VOCÊ mostrou ao clube que nosso projeto vale a pena.

Arrisco dizer que neste dia 3/04/2014 não existiu melhor lugar no planeta para torcer no Cruzeiro do que na Sampa Azul.

E que maneira melhor de coroar este dia tão especial que não fosse com uma bela vitória, heim?

Torcedores puderam fazer o seu Sócio do Futebol e já saíam com sua carteirinha NA HORA! Na foto, nosso amigo Nino.
Felipe Paniogo foi o vencedor do prêmio especial para Sócios do Futebol. Ele levou uma camisa autografada por todo o time do Cruzeiro, Campeão Brasileiro de 2013.
Daniel Pinheiro levou para casa uma camisa do Palestra Itália. E quase leva o Raposinho também... rs

O Júnio levou a camiseta óbvia... era mesmo dia de Cruzeiro!
O Jogo.

Depois de toda festa e do sorteio de brindes, era a hora de a bola rolar. A tensão era grande na Sampa Azul, mas a euforia e confiança eram ainda maiores.

Para nós, nada mais do que a vitória interessava. Era preciso vencer de meio a zero que fosse. E o time vinha surgindo – de branco – para a sua final de campeonato.

Os primeiros minutos foram de muita tensão. O time da LaU é uma equipe técnica, que sabe tocar a bola e nos primeiros minutos o time custou a conseguir encaixar o seu jogo. Porém, a vontade... aquele ‘sangue nos olhos’ indispensável para jogos de LA estava alí... pulsando.

A galera na Sampa Azul cantava o tempo todo, sem parar um minuto. E teve sua recompensa aos 15 minutos, depois de cobrança de falta de Everton Ribeiro, que encontrou a cabeça de Bruno Rodrigo para fazer a galera literalmente explodir em emoção.

O Bar quase vinha abaixo. O time da LaU quase empatou em uma bola que saiu tirando tinta da trave, na saída do Fábio. O time celeste também era perigoso e perdeu boa chance com Éverton Ribeiro.

Aos 39, Lucas Silva, R. Goulart e Dagoberto tocaram bola até lançar para o Samúdio (que fez uma BAITA partida) fazer o segundo gol e incendiar de vez a rua Tabapuã.

O Cruzeiro soube cozinhar o final do primeiro tempo e foi para o intervalo com vantagem.

Nossa tradicional foto do Intervalo.
Espírito de Libertdores.

Depois de mais sorteios de brindes, a galera da Sampa Azul acompanhou uma verdadeira batalha no segundo tempo. Munido do mais puro e primitivo espírito de Libertadores, nossos guerreiros lutaram de forma ferrenha, lance a lance.

A Patrícia Mesquita levou o par de chinelos infantis.
Enquanto nossa amiga Josie, dona daquele fusquinha maroto no início da matéria, levou o livro do TRI.

O Wagner Júnior levou a camisa #Cruzeiro na Batalha. E teve ainda mais brindes para a torcida. Um SHOW do Cruzeiro aqui em São Paulo. Tudo isso, graças ao grande número de Sócios do Futebol em nosso estado.
Confesso que, animado com a partida, perdi a ‘compostura’ e passei a gritar a cada bola perdida. Era emoção pura e concentração ao máximo. Toda bola era a bola do jogo.

Em campo o time recuou bastante, com inteligência e foi extremamente competente em segurar a equipe da LaU, que tentava pressionar a todo custo, enquanto nossos heróis resistiam bravamente, alternando um ou outro lance de contra-ataque.

Cada minuto demorava 20 para passar... Mas foram se esvaindo e medida que a empolgação da galera ia aumentando. E, alí, naquele estádio onde conquistamos nossa primeira Libertadores, reconquistávamos a nossa confiança.

William, que entrou no lugar de Dagoberto, ainda meteu uma pintura de bola no travessão Chileno. Mas talvez tenha até sido bom... Duvido que algum Cruzeirense pudesse suportar ainda mais felicidade naquele momento. (vamos guardar um pouco pelo que ainda está por vir).

E, ao som do apito final, mais uma vez a explosão de uma torcida maravilhosa, empolgada e que permanece sempre #FechadaComOCruzeiro.

Correndo o risco de ser chato e repetitivo, deixo aqui novamente o meu MUITO OBRIGADO a todos os envolvidos neste evento sensacional. E aproveito para deixar mais uma mensagem para nossos concorrentes a taça...

Adversários... tremei! Pois La Bestia Negra vive!

Domingo tem mais!



Vamos Cruzeiro!

3 comentários:

Bernardo Duca disse...

Muito bom Edu...A Sampa Azul estava demais ontem...Fizemos Minas vir para dentro de São Paulo e a festa foi completa. Jogando assim não há como bater no nosso time...Se houver dedicação e confiança o título do Tri é apenas questão de tempo...

Unknown disse...

Torcida sempre maravilhosa!!! Meu Fusca fez um sucesso estrondoso!!!!!!

Felipe Gustavo disse...

Fui pela primeira vez e gostei muito mesmo, Ver essa força da nossa torcida fora de Minas Gerais.
Pretendo voltar mais vezes.