domingo, 13 de outubro de 2013

Mudar é preciso.



Hoje eu tenho 3 assuntos para tratar com vocês, torcedores cruzeirenses: o jogo, o time e a mídia.

1. O jogo.

Sobre o jogo, serei direto e objetivo: perdemos merecidamente e não há nada a reclamar. No primeiro tempo, tomamos um vareio de bola, perdendo absolutamente TODAS as bolas disputadas no meio de campo.

Sério, foi o PIOR primeiro tempo que este time do Cruzeiro fez no ano todo. Enquanto o Atlético corria, marcava e se deslocava, o nosso meio assistia tudo passivamente e desorganizado. Nem de longe aquela pegada que marcou o time durante o ano. Para piorar, quando tínhamos a bola, era chutão para frente, rifando a bola a qualquer custo.

No segundo tempo, o M.O. mudou o time, colocando Henrique no lugar do amarelado Lucas Silva, e mexeu um pouco no brio dos jogadores. Menos ‘ruim’ em campo, o time celeste até teve uma chance clara com Ricardo Goulart, mas foi só. No geral, Fernandinho, Tardelli e Luan infernizaram a defesa celeste e o golaço do Fernandinho, em mais uma bola perdida no meio de campo por erro de passe, já perto do final do jogo fez justiça ao time que mais buscou o placar na partida.

Nada a reclamar, a não ser da apatia do time celeste e do fato do nosso time, pela segunda vez no ano, meio que ‘tremer’ na casa do adversário quando o estádio está cheio.

2. O time.

Existem derrotas e Derrotas. Começo, mais uma vez, relembrando que em jogos como contra o Botafogo, Grêmio e Fluminense quando, mesmo com derrotas, vim aqui e defendi o excelente futebol do time celeste.

Entretanto, nos últimos dois jogos perdemos merecidamente, com um futebol apático e desorganizado, assistindo os adversários correrem e demonstrarem mais disposição que a gente.

Ninguém gosta de perder clássico, mas todo mundo sabia que, no jogo de hoje, essa era uma possibilidade real. Até aí ‘faz parte’... desde que o time tivesse jogado algo, forçado o adversário, mostrado o porque é o líder do campeonato.

Na minha opinião, o M. Oliveira errou na quarta ao não fazer o time sair com tudo para cima do desesperado São Paulo. Chamou o time paulista para o seu campo, perdeu o meio e manteve o Borges isolado na frente e sem função na partida, enquanto o nosso meio campo era engolido.  Hoje, ele só não repetiu o erro, como também falou no meio da semana que o faria. Não mudou o time, nem a postura do time. Isso sim preocupa.

As vezes mudar e preciso.

Hoje, quando o M. O. Tirou o Borges e colocou o Alisson em campo, recompondo no meio, o time cresceu muito.

E por que os adversários estão marcando e correndo mais que a gente? Será que não é hora de mexer no brio dos jogadores colocando novamente um Souza em campo? (Lembram dele, o cabeça vermelha que chegou comendo a bola e desapareceu do time?).

Mas, sabe o que mais faltou ao time do Cruzeiro nestes dois últimos jogos? O COLETIVISMO que fez deste time a sensação do campeonato!

O time todo voltava quando perdia a bola. Na saída, não havia espaço para vaidade. O toque, o companheiro mais bem posicionado era a preferência. Já nestas duas últimas partidas é um tal de sair ‘sozinho com a bola’, que eu, sinceramente, não consigo entender.

Na minha humilde opinião, o M.O. precisa mexer no time com urgência. Com o foco que ganhamos no campeonato, todo mundo já conhece as virtudes e defeitos do Cruzeiro.

Para finalizar a parte do time, gostaria de ressaltar o quanto o Dedé faz falta neste time.

O Leo é ‘bom’. Mas não é o Dedé. Não somente na defesa, mas nas bolas alçadas na área, o Dedé é muito importante. Não só pela sua altura e poder de cabeceio, mas porque ele puxa 2 ou mais jogadores preocupados com ele. E, quando é para defender, bola aérea com ele é aproveitamento de 500%. Ganha todas! Tem feito MUITA falta ao time, na saída de bola, nas alternativas de ataque.


3. O mais importante: a relação MÍDIA X TORCIDA.

O Cruzeiro abriu 11 pontos e toda a mídia cravou: o Cruzeiro é campeão! A torcida, que esta no papel dela, já começou a contar e programar quando ia buscar o caneco.
  
Mas eu sempre disse e repito aqui: tem muito campeonato pela frente! Temos que torcer e cobrar o time como se cada jogo fosse uma final. Não podemos facilitar.

Aí, todo programa de TV passou a falar e analisar o Cruzeiro. Todo jogador passou a dar entrevista. Todo jornalista tinha uma teoria e o infográfico sobre o time da Toca.

Resultado?
Todo mundo joga mais contra o Cruzeiro para provar algo.

Consequência?
Agora o time tem que se reinventar.

Agora, o Cruzeiro perdeu duas seguidas. Sabem o que vai pipocar na mídia esta semana? A previsível pergunta: ‘Será que o Cruzeiro é mesmo tudo isso?’

Agora, o que vai vender jornal é a mídia criticando, colocando em cheque nosso time. Até aí, normal, previsível e esperado. O que me preocupa, é que a torcida compre esse ‘blá blá blá’ da mesma forma que comprou ‘o Campeão é o Cruzeiro’.

AINDA não é. Tem TUDO para ser, mas ainda não é.

E a chave para nossa conquista é estarmos #FechadosComOCruzeiro e blindados contra tudo e contra todos. Temos que torcer, apoiar e vibrar, mesmo que estes dois resultados não tenham sido como o esperado.

Temos que mostrar AGORA que jogamos juntos com o time. Menos ‘oba-oba’ e mais ‘vamos cruzeiro’.

O Marcelo Oliveira trabalhou duro até agora. Os jogadores também. 'Temos que' e vamos dar este voto de confiança para o time até o final. Eles são capazes e provaram isso diversas vezes.

Eu acredito. Mas ‘tô fora’ dessa soberba de alguns torcedores do ‘já ganhamos’.  Com os pés nos chão, jogamos o nosso melhor. Vamos continuar assim, até que o objetivo maior seja alcançado.




Força Cruzeiro! Nunca estivemos tão juntos e fechados com você!

Nenhum comentário: