domingo, 23 de setembro de 2012

Não foi desta vez.



O Cruzeiro pode estar num momento melhor, pode jogar em MG, em SP, pode ter um a mais, um a menos, pode jogar de azul, de branco... Não adianta, o time paulista quase sempre vence o Cruzeiro. Dificilmente seria hoje, com o time pressionado e em frangalhos, que essa tão necessária vitória viria. Como não veio.

Com a bola rolando, os minutos iniciais foram totalmente azuis. O Cruzeiro começou a partida pressionando o São Paulo, tocando bem a boa e marcando muito bem. Aos poucos este ímpeto foi diminuindo, mas durante toda a etapa inicial o time estrelado foi sempre melhor e mais perigoso.

Destaque para o lance em que Marcelo Oliveira lançou o Montillo, WP fez um bom corta luz e o argentino perdeu o gol cara a cara com o Rogério.

W. Paulista era quem mais buscava se movimentar, enquanto Wallyson fez uma das partidas mais desprezíveis que eu já tive o desprazer de ver um jogador do Cruzeiro fazer, vendo o jogo do estádio. Ele tinha como única função marcar a saída do Cortez, mas o fazia de longe e caminhava... ou melhor, se arrastava em campo, sem a menor disposição para nada.

No fim do primeiro tempo, o Cruzeiro perdeu os dois atacantes por contusão. Como perderia também no começo do segundo tempo o Charles, que fazia boa partida, pelo mesmo motivo, depois de uma bola dividida com Lucas.

Antes, o Cruzeiro ainda teve uma excelente oportunidade de marcar o seu gol, em cruzamento de Montillo que passou perigosamente pela área tricolor.

Na sequência veio o gol do São Paulo, em contra ataque que culminou em cruzamento de Ademilson, mal rebatido pelo Fábio, que acabou com cabeçada do Oswaldo e o gol paulista.

O gol simplesmente decretou o fim do futebol para o Cruzeiro que parou de jogar e desapareceu em campo. Ainda houve tempo de o Fábio fazer uma excelente defesa. Era um jogo em que jogamos bem melhor que as últimas partidas e que até merecíamos melhor sorte. Mas fazer o que?

Hoje ficou claro que a troca de Roger pelo Souza foi um tiro no pé. O Galera ainda alternava bons e maus jogos. O Souza nem isso consegue. Como também ficou evidente que nosso time está acabado fisicamente, perdendo corridas, sem pique, sem movimentação. O Montillo está claramente aquém do que pode, sem pique. Me parece jogar no sacrifício.

Como fica um alento de que o Borges e o Ceará possam voltar ao time logo. Hoje, o pouco que tentou mostrou que o Borges é titular indispensável deste time. Embora não tenha aparecido muito na TV, do campo ele se movimenta, busca jogo e não se esconde... como outros tantos fazem.

Agora é juntar os cacos de 5 jogos somando só um ponto, um time de lesionados, desfalques por cartão e jogadores limitados, para tentar o milagre de se vencer um jogo.

Não, não gosto do Roth comandando o Cruzeiro. Mas se eu tivesse que demitir alguém, com certeza seria o departamento médico ou o preparador físico deste time. Porque o que esse time se lesiona, e o que esses jogadores não correm em campo é uma grandeza.





Uma pena o resultado para nossa torcida, em especial a galera da Sampa Azul, que fez aquele esquenta em nosso QG e cantou como pode no estádio.

Temos ainda mais 2 super pedreiras, contra Inter e Grêmio. Que fase! Muito se engana quem vê a tabela com tranquilidade, o que nesta faze acredito ser quase ninguém da nossa torcida.

Força Cruzeiro! Vamos atingir logo os 45 pontos e começar a planejar um 2013 decente.

Nenhum comentário: