quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Menores do que a camisa.


Respeito a parte, quando Cruzeiro enfrenta o Figueirense, seja a partida em BH, em Floripa ou na Lua, o Cruzeiro tem sempre a obrigação de jogar para vencer. Isso serve para todo adversário, mas especialmente para uma equipe sem tradição e em um péssimo momento na tabela. Mas não foi com este espírito que o Roth armou o time para a partida de hoje.

Ver um time jogando no 3-5-1, com Sandro Silva em campo e o Montillo no ataque, já era uma escalação para se ficar preocupado. Com a bola rolando ficou ainda pior. Um time despreparado, perdido, que insiste em fazer ligações diretas. Algumas poucas jogadas apareceram em raras boas subidas do Everton e nada mais.

Não bastasse o esquema ridículo e a postura muito menor do que a camisa do Cruzeiro, jogadores como Souza e Charles erravam passes em demasia e destruíam tudo o que tentavam.

Quando Sandro Silva, um dos mais toscos do elenco saiu machucado, entrou o Marcelo Oliveira. Difícil saber oque é pior.

Aos 34, o Figueirense fez o seu gol de falta e aniquilou qualquer esquema do time azul. O Cruzeiro se arrastou até o final do primeiro tempo. Mas no segundo, um perdido e covarde Celso Roth nada fez para mudar o panorama da partida.

O Cruzeiro voltou igual na escalação e na falta de atitude. As tantas, o Roth foi expulso erradamente pelo juiz, enquanto falava com o Marcelo Oliveira. Pouco depois o Leo fez falta sem bola e foi expulso direto, sem amarelo. Para coroar a péssima partida do Cruzeiro, o time ainda tomou o segundo gol.

Nunca critiquei o Celso Roth. Sempre acreditei que as dificuldades que ele enfrentou com o Cruzeiro eram relacionadas ao elenco limitado e frágil que o Cruzeiro montou este ano. Mas as últimas ações do treinador são, no mínimo, questionáveis.

Primeiro, a preferência por Marcelo Oliveira, a insistência com Sandro Silva... jogadores ridículos que nunca colaboraram com o clube, enquanto o Lucas Silva vinha voando no time e foi inexplicavelmente sacado do time, até mesmo do banco.

As improvisações, falta de sequência no time, recorrer a jogadores que hora sequer estão no banco, e depois estão direto jogando. Hoje, por exemplo, o Souza, que não aguenta um jogo inteiro jogou de lateral. Inexplicável.

Mas minha crítica hoje vai para a postura COVARDE dele, armando um Cruzeiro torto, perdido e com medo de uma equipe do fundo da tabela com o Figueirense. E um campeonato que poderia ser ‘tranquilo’ começa a desesperar a já tão maltratada torcida celeste.

Poucos se contentarão em torcer contra o rival e em ver o time não cair. Mas cruzeirense de verdade sabe que isso é pífio, ridículo e nunca vai corresponder ao sentimento que é torcer por esta camisa estrelada.

Eu não cogitava, mas depois desta falta de respeito e covardia mostrada pelo Roth, não sei se não seria hora de rever alguns conceitos... Sinceramente não sei.

Eu tive NOJO deste esquema e deste futebol RIDÍCULO mostrado por este time infantil e medroso. É preciso ter RAÇA e PERSONALIDADE, caso contrário, que VAZEM DO CRUZEIRO.

Já passou da hora de jogadores como o CEARÁ e o BORGES pararem de se machucar e colocar a cara em campo novamente. Não sarou? Então vem buscar condicionamento EM CAMPO.

CHEGA. Nós DEMANDAMOS uma vitória IMEDIATAMENTE.

FORÇA? Força o caramba... eu quero VERGONHA NA CARA!

Vamos Cruzeiro.

Nenhum comentário: