sábado, 13 de novembro de 2010

Falta de vergonha, dignidade e respeito com o campeonato.

Foi uma pena que eu esqueci meu nariz de palhaço em casa. Em um jogo em que Cruzeiro engoliu o adversário na bola, o Corinthians venceu com um pênalti tão nojento, que o derrotado nesta tarde foi o futebol brasileiro, e não só o time celeste.

O Pré-jogo.

Ao chegar no Pacaembú, me deparei com um esquema de segurança nunca antes visto no estádio. Para garantir que o torcedor do Cruzeiro tivesse lugar na decisão e evitar que torcedores alvi-negros adquirissem os ingressos azuis, a diretoria corintianas só vendeu ingressos para a torcida visitante a partir das 16h30 deste sábado.

Com isso, uma fila gigante se formara na frente do Pacaenbú. Muita, mas muita gente foi apoiar o Cruzeiro nesta partida. Era a certeza de um grande público mas, depois de adentrar o estádio e ver aquele mar azul de gente, acho que posso afirmar que nunca o estádio paulista recebeu tanto torcedor celeste.
A Expectativa era a melhor possível. Mesmo sem a Máfia, que só entrou no segundo tempo da partida, a galera celeste cantava a todo pulmão os “hits” do Mineirão. Mal imaginávamos o que viria pela frente.

Com a bola rolando, só deu Cruzeiro.

Quem viu o jogo do estádio assistia a um Cruzeiro onipresente. Não existia um espaço do campo sem que houvesse uma marcação quase perfeita por parte do time estrelado. Tanto que, salvo uma boa jogada de Elias, só deu Cruzeiro.

Logo aos 14, Thiago Ribeiro recebeu um belo lançamento cara a cara com o gol, mas não chutou. No lance, reclamou pênalti que o juiz não deu. O trio de ‘bandidagem’ – ops – arbitragem ainda anulou dois lances agudos do ataque celeste com impedimentos não existentes.

Se o primeiro tempo só deu Cruzeiro, o segundo foi ainda mais azul. O Cruzeiro soube segurar o ímpeto do Corinthians e ainda teve mais chances agudas de gol.
A mais clara com W. Paulista aos 32, em belo chute a queima roupa.

Era um jogão e o Cruzeiro provava ter futebol para ser campeão brasileiro. Se existia uma equipe de que deveria sair vencedora do campo, esse time era o Cruzeiro. Seria uma questão de justiça.

Mas ‘justiça’ é uma palavra proibida daqui para frente. Aos 43 do segundo tempo, bola levantada na área do Corinthians e em uma disputa de bola pelo alto, Ronaldo trombou com Gil, em um daqueles lances que não é falta nem no meio de campo. Não contente, ele ainda expulsou o Gil.

Depois de uma confusão enorme, Ronaldo bateu e fez o gol do vexame do Campeonato Brasileiro de 2010.

Depois da batida, todo o time do Cruzeiro aplaudiu ironicamente o juiz, que completou a lambança expulsando o Cuca. Revoltado, Fabrício deixou o campo, forçando usa substituição.

A torcida aplaudiu a passagem do Gil, que se encaminhava para o vestiário. Depois disso, passou a gritar “Sai do campo, sai do campo, sai do campo!”, pedindo que o time deixasse a partida naquele momento. Depois, ainda ficou até o final e aplaudiu o brio do time.

Fim de jogo e da credibilidade deste campeonato.

O time do Corinthians comemorava a vitória, e o Cruzeiro partia para cima do juiz ao término da partida. Com a discussão, Gilberto também foi expulso depois de o jogo ter terminado.

Pela primeira vez, eu não estava ‘triste’ com uma derrota. Embora o resultado praticamente nos coloque fora da briga pelo título, o que eu senti naquele momento foi NOJO. Mais do que tristeza eu estava enojado do futebol brasileiro, e também com vergonha de participar de um campeonato com cartas marcadas.

Ainda na saída, cruzei com o Zezé Perrela, descendo indignado pelas escadas e rumando para o vestiário do time.

Atestado de cinismo.

Quem conhece o Pacaembú, sabe que uma bela subida separa o estádio do metrô e dos pontos de ônibus. No caminho, ao caminhar e meio da torcida corintiana, pela primeira vez depois de uma derrota, o trajeto foi feito sem festa por parte dos mandantes.

Nos comentários, alguns com um sorriso amarelo pela vitória roubada. Outros reconhecendo o melhor futebol do Cruzeiro e agradecendo o pênalti que veio do céu. Mas não havia em nenhum rosto a felicidade de uma vitória incontestável, ou mesmo na raça. Havia um “que” de vergonha no ar.

Alguns ainda tentavam lembrar de um possível favorecimento do Cruzeiro no primeiro embate dos times neste brasileiro, como se uma ‘invasão de área’ tivesse a mesma gravidade deste assalto de hoje. Como se uma ‘segunda chance’ naquele lance diminuísse a culpa de um cobrador displicente.

Jogos assim, revelam porque o Corinthians é tão inexpressivo internacionalmente. Pois sem a ajuda do apito amigo, eles são apenas um time normal. Mas aqui no Brasil, são campeões com o apito. E tal qual o brasileiro de 2005, ou ainda famosa final do Campeonato Paulista com o pênalti do Javier Castrilli diante da Portuguesa, este caneco parece já estar encomendado.

E a nós, testemunhas, não cabe nada mais do que o sentimento de nojo. Pois, assim como acontecera com o título brasileiro que nos roubaram na decisão contra o Vasco, a história do futebol brasileiro premia os bandidos.

E o campeonato perdeu a credibilidade.

Incompetência dos organizadores? Talvez. A arbitragem é um lixo no Brasil e isso é fato. Mas quando a conta da balança soma erros contra Botafogo, Grêmio, Santos, Corinthians, São Paulo, etc... Sinceramente, eu me sinto enojado e descrente no futebol. Esse é o país da Copa. Meu Deus! Hoje eu entendo o que chamam de ‘vergonha alheia’.

Disso tudo, o que mais preocupa mesmo é o sentimento de impunidade. Ninguém faz nada ou mesmo toma alguma atitude. E graças a capítulos como este, somos testemunhas de um filme onde o mal vence sempre.

Vergonhoso.

De qualquer modo, parabéns ao time pelo bom futebol e a torcida pelo comparecimento em massa e pelo apoio.

Que venha a Libertadores! Estou com saudades de um torneio descente.

9 comentários:

Anônimo disse...

E ninguém cala esse chororô...
chora o presidente, chora o time todo, chora o torcedor!!!

Anônimo disse...

Chora também quem não se aproveita da roubalheira do Corinthians. Quem gosta do futebol como esporte e não como bandidagem.

Editor disse...

nada como um dia após o outro, em 2005 no Brasileirão e 2009 na Copa do Brasil foi o Inter , ontem o Cruzeiro quando o Fernando Carvalho apresentou o DVD com os erros pró Cúrintia foi chororó ninguem de clube algum apoiou , agora foi a vez do Cruzeiro, será que tudo continuará assim?

Anônimo disse...

E o pênalti mal marcado contra o Inter na primeira rodada do campeonato(a bola bateu no peito do jogador colorado e não na mão)??? E o pênalti que o Henrique fez no Bruno César em Uberlândia e que o juiz não marcou???
É fácil criar teoria da conspiração... difícil é olhar o próprio umbigo quando o ego é tão inflamado. Que pena que vcs não usam todo esse sentimento de revolta contra o presidente Zezé Perrela, que como deputado (e ciente das responsabilidades sociais que o cargo prevê) não se preocupou muito em melhorar a vida dos cidadãos mineiros e brasileiros,e que surpreendentemente, declarou esse ano à justiça federal que tem apenas 490 mil reais em patrimônio. Engraçado né? até eu, simples executivo, tenho patrimônio maior que ele. Pensem nisso...

Anônimo disse...

Tão ridículo quanto comparar as situações do primeiro jogo em MG com este é entrar com o tema 'política' no assunto. Nem vou me estender no tema que renderia uma discussão ainda mais inócua.

Erros? Você quer falar de erros? Tivemos 2 pênaltis marcados contra nosso time FORA da área. Dois gols anulados em confrontos decisivos e outros tantos lances mais. Assim como todos os outros times.

Só que a rotina faz o vício. Engraçado que na hora da decisão, na hora "H", sempre que é a hora de decidir, os erros são SEMPRE a favor do Corinthians. No caso de 2005, com o próprio presidente de vcs dizendo que o campeão de direito seria o Inter. Mas enfim. Se te faz feliz ganhar assim, comemora ai.

Favorecimento ao Corinthians ou não, a revolta é ainda maior que isso. São tantos os erros, tanta a falta de preparo da arbitragem, e em quase todos casos para o time da casa (independete de cor de camisa) que o futebol em sí perde credibilidade.

Ontem o lance foi ridículo. Não foi penalti nem de perto. Aconteceram muitas faltas mais graves para o Cruzeiro que sequer foram marcadas. Mas como eu disse, se faz alguns felizes, comemorem ai... Cada cum com seu ponto de vista.

paulo vitor disse...

o cara sabe nem discutir..fala de politica no meio de arbitragem..mto noob msm!!

oque é pior,é que os cara nao tem mesmo argumento,nem moral(moral = titulo) pra falar algo,e querem discutir..

''...comemorem ai... Cada cum com seu ponto de vista''

Geraldo Henrique disse...

ATENÇÃO senhores Anônimos, simples executivos que possuem patrimônio maior que o ZZP!!!

Querem postar aqui no grupo??
Então bota a cara.

Quem não é Cruzeirense, não é bem vindo aqui.
Então pra q está vindo aqui postar sem botar a cara???

Ou se identifiquem, ou vazam daqui.

E cada um na sua.

Anônimo disse...

Talvez o Roger tenha conhecimento de causa para ter feito a afirmação que deixou o Sanches tão irritado !

BLOGNEWS disse...

A imprensa vem escondendo os lances dos impedimentos inventados pelo soprador de latinhas , além de faltas ou penaltis sobre welligton paulista e thiago ribeiro ! A manipulação é um jogo tão ou mais sujo que prossegue mesmo após a partida de sábado !