quarta-feira, 2 de junho de 2010

E agora?

O embate entre Santos e Cruzeiro transformava o Mineirão na maior panela de pressnao do mundo na noite desta quarta feira. De um lado o time dos meninos da Vila, sensação do futebol brasileiro, que não enfrentava uma fase muito boa. Do outro, o time do Cruzeiro, imerso em ventos de desconfiança, mudança, pressão sobre o time e seu treinador e um ódio mortal da diretoria e suas pataquadas, como a "doação" de Kléber para o time do Palmeiras.

Talvez, tentando dar uma direção para o time do Cruzeiro, Adílson optou por escalar o time com 4 volantes. E com a bola em jogo, a tática parece ter dado efeito.

Cruzeiro e Santos fizeram um jogo disputado. O Cruzeiro marcava demais e não deixava o time santista fazer nada na partida. Com a bola no pé, porém, embora tenha conseguido uma posse de bola muito maior, o time não tinha muito poder ofensivo, até mesmo pela falta de peças de qualidade para a função.

Thiago Ribeiro era quem articulava as jogadas mais incisivas e o lance mais agudo do primeiro tempo foi o escanteio cobrado pelo próprio Thiago que Gil arrematou para trave.

Na etapa complementar…

… os times voltaram iguais. Mas o Santos decidiu atacar um pouco mais e os primeiros lances do segundo tempo foram do time do peixe. Mas o jogo com isso ficou mais aberto e a raposa tratou de atacar também.

Era um jogo gostoso de se ver. O "medo" pelo pior havia sumido pela disposição que o time apresentava em campo e a angústia normal de um jogo disputado tomou conta da partida.

O lance mais claro de gol para o Cruzeiro foi um cruzamento que o Eliandro matou mal a bola, que subiu demais e ele sofreu pênalti claro que o juiz não marcou.

Elicarlos já tinha 2 amarelos e Adílson optou por sacá-lo do time e colocar o Pedro Ken. A torcida não entendeu a preocupação do treinador e começou o corinho de "Burro". Mal sabíamos que ele ouviria isso pela última vez...

O Cruzeiro era melhor, o Santos perigoso no contrataque. Mas pouco depois dos 30, Marcel - que acabara de entrar na partida - foi expulso por entrada forte em Jonathan e foi expulso.

A vantagem numérica do Cruzeiro pouco durou, pois Thiago Heleno acabou se machucando ao tentar recuperar uma bola que saia pela lateral.

Mesmo assim o Cruzeiro seguiu apertando o rítimo em busca do gol, mas não conseguiu. Final de jogo um empate que não livra a cara de ninguém, mas que aplacou um pouco da ira do torcedor. Isso porque, desta vez, vontade não faltou e o time se doou em campo. Mas o golpe final da noite ainda estaria por vir no vestiário...

Após o jogo, ADILSON BATISTA SE DEMITIU.

Além do seu treinador, o time acabou de perder também um dos seus principais jogadores por uma atitude ridícula da diretoria do clube, que cedeu às pirraças do jogador e fez a vontade dele, liberando Kléber para o Palmeiras. Que vendesse ele para PQP, mas não para o Palmeiras.

Com a saída do Adílson, muitos outros jogadores também devem deixar a Toca. alguns deles da confiança do treinador. E agora diretoria? O que será de nós?

Nunca ví uma crise como esta na Toca e isso é um sinal que algo precisa ser feito com URGÊNCIA...

O fim de uma era.

Falta apenas uma partida, contra o lanterninha do campeonato, para a paralização para a Copa e o Cruzeiro se despedirá da era Adílson nesta partida, depois de 3 anos.

Sinceramente, estou triste pois acho que as coisas não devem ser modificadas assim no meio do caminho. A ele, muito obrigado pelo que fez. De bom, fica o retrospecto ante o rival local. De ruim, fica a ausência de um grande título.

Bem ou mal, deixo aqui o meu muito obrigado para ele. Independente dos resultados, tenho certeza de que ele buscou o melhor para o time.

Sorte a ele e sorte pra gente com nosso novo treinador.

Um comentário:

Geraldo Henrique disse...

Mas num é que nossa zaga conseguiu parar o ataque do Santos????
Até que jogou muito bem hj.

Acho q se não foi a única vez, foi uma das únicas vez q o Santos não fez gol este ano.

Em compensação... Nosso ataque ficou devendo.
Os caras não chutam a gol. Aí não tem jeito neh??

Agora é se contentar com Robert no ataque, Dimas da Fonseca como diretor de futebol, Levir Culpi, Cuca, Ney Franco, Fossati, Mário Sérgio, Paulo Autuori...

Enquanto isso os otários continuam caindo na lábia dos Merrelas!!

Salve-se quem puder!!